Avançar para o conteúdo principal

O clima e a influência do Homem

Este verão tem sido caracterizado por contrastes climáticos. Houve inundações nunca vistas no Reino Unido, temperaturas a baterem recordes no leste da Europa e um verão instável na Península Ibérica. Agora é a China e o Sul da Ásia que estão a ser fustigados pelo mau tempo. Segundo os especialistas, são as piores cheias dos últimos 200 anos...
Segundo a maioria dos especialistas, as alterações climáticas são uma realidade, cada vez as temperaturas serão mais altas e o tempo mais imprevisível. Mas já há algum tempo que a Humanidade tem sido alertada para os efeitos da poluição na atmosfera. Infelizmente, só quando for tarde demais é que as pessoas irão querer remendar o que poderia ainda ser evitado.
As emissões poluentes são hoje mais significativas em economias emergentes, onde o petróleo e o carvão são as principais fontes energéticas. Os países mais desenvolvidos já perceberam a imprtância do uso de energias alternativas e já há regras e limites estabelecidos para os níveis de emissões poluentes. Uma excepção têm sido os EUA, que para manterem o seu crecimento económico e de forma egoísta, não assinaram o Protocolo de Quioto, dando um mau exemplo.
A China e a Índia, com taxas de crescimento perto de 10% ao ano, são neste momento os maiores poluentes do Mundo, uma vez que para satisfazerem o seu consumo energético, importam cada vez mais petróleo e usam carvão, um dos maiores responsáveis pela libertação de dióxido de carbono na atmosfera.
Estes países, deveriam ser incentivados pelos países mais desenvolvidos a apostarem nas energias alternativas, conjugando assim o pujante crescimento económico com a preservação do ambiente.
Mas nem só os países são responsáveis, também os líderes de grandes empresas e grupos económicos o são.
Há que apostar no ambiente, na eficiência energética, e criar regras e mecanismos de obrigatoriedade de instalação de fontes de energia renováveis.
O Planeta necessita do nosso contributo e as gerações futuras irão agradecer tudo aquilo que possamos fazer no presente. Se tivermos a noção da importância dos pequenos gestos que cada um de nós pode ter na preservação do ambiente, então estaremos a caminhar para um futuro melhor, mais saudável e menos poluído. A união faz a força e em conjunto, seremos capazes de preservar o ambiente.

Comentários

Anónimo disse…
RONALDO

Mensagens populares deste blogue

As Organizações Modernas na sociedade actual

Num Mundo cada vez mais globalizado, é com naturalidade que encaramos a mudança como algo de inevitável. Mudança em todo o sentido da palavra. É uma palavra que fará sempre parte das nossas vidas. Como seres humanos, temos de nos adaptar a novos tempos, novas descobertas, à evolução do conhecimento, pois é o conhecimento que nos faz crescer, que nos molda. Tem de haver grande disponibilidade para o conhecimento, para descobrir novas áreas, novos saberes, para evoluirmos e não ficarmos limitados ao conhecimento que já dominamos. Essa adaptação é fundamental para encararmos o processo de mudança como algo que acontece com naturalidade. Como na vida, existe também mudanças nas organizações. Todas as organizações numa determinada fase da sua existência sentem necessidade de mudar. E mudar porquê? Porque a sociedade evolui e por isso o ambiente envolvente às organizações também muda. Logo, a realidade que existe hoje já não existe amanhã e daí a necessidade de se adaptar a organização de f…

Évora - Casa Branca; Finalmente abriu!

Foi com agrado que assisti ao anúncio da abertura da linha de Évora no troço Évora - Casa Branca, para dia 05 de Novembro de 2006. Este troço, com cerca de 26km, já permite que se demore menos 12 minutos na ligação entre estas duas povoações. Assim, desde dia 05 é possível ir até Lisboa (Sete Rios, Entrecampos e Oriente) de combóio, atravessando a ponte 25 de Abril e demorando apenas 1h55m, sensívelmente o mesmo tempo que o percurso de automóvel sem ir por auto-estrada.
Finalmente Évora entrou no mundo dos combóios actuais, modernos e rápidos, sendo uma mais valia para o turismo eborense mas também para o país, permitindo um maior desenvolvimento de uma região interior, que se depara com cenários de desertificação gradual à sua volta, sendo mais um factor de fixação das populações.
Esta linha insere-se num projecto mais vasto, a ligação de Sines a Badajoz, ligando o porto de Sines a Espanha, para que haja um maior potenciamento das capacidades do porto de Sines e a actracção de novos na…