Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens com a etiqueta ambiente

Incentivos à Opel na Alemanha

A Opel propôs também à chefe do Governo alemão um programa de prémios que incentive a entrega para reciclagem de carros velhos, além de empréstimos a juros baixos para a compra de carros novos. Esta ajuda foi solicitada numa carta assinada pelo presidente da General Motors Europa, Carl-Peter Forster, pelo gerente da Hans Demant, e pelo presidente da federação das comissões de trabalhadores da empresa, Klaus Franz. Um porta-voz da chancelaria federal já confirmou a entrada da carta, afirmando que o pedido «será examinado em pormenor». Simultaneamente, a fonte governamental lembrou que o programa que o Executivo aprovou na semana passada para estimular a conjuntura inclui medidas para o sector automóvel, como a abolição temporária de imposto de circulação para compradores de novos veículos. Fonte: TSF em 10-11-2008 Comentário: Uma medida semelhante deveria ser aplicada em Portugal de forma a estimular o sector automóvel, sector que actualmente vive tempos difíceis. De referir que

Semana da mobilidade

Todos os anos por esta altura se fala em mobilidade. Fecham-se ruas, anda-se a pé, pratica-se desporto e pelo menos num dia por ano pensa-se no ambiente. Mobilidade deveria significar mais e melhores transportes públicos, horários mais ajustados e maiores frequências por trajecto, melhores calçadas e menos buracos, enfim, uma série de coisas... Acima de tudo deveria pensar-se no ambiente todo o ano, andar menos de transporte próprio e mais de transporte público, de bicicleta ou a pé. Segundo dados revelados esta semana nalguma comunicação social, a tendência de queda no uso de tranportes públicos está a ser contida, havendo serviços que já têm mais procura este ano que nos restantes. Para isso, muito tem contribuido o preço do petróleo e a crise. Quem sai beneficiado é o ambiente, menos poluição, mais qualidade de vida. Mas hoje em dia é fundamental desenvolver e criar circuitos destinados a quem deseja andar a pé ou de bicicleta. Restringir certas ruas em determinados períodos horário

Finalmente...

Finalmente começou a ouvir-se falar na necessidade de reduzir as emissões de CO2. Na Europa como em Portugal, o tema começou a ser obrigatório em qualquer discurso político, incentivando e apelando a que se aposte em energias alternativas que substituam as energias fósseis. Às famílias é pedido que adoptem medidas nas suas próprias casas, aconselhando-as de como proceder... Finalmente, mas tarde, há muito que se deveria ter começado a adoptar medidas nesse sentido, mas como diz o velho ditado popular, mais vale tarde que nunca. Agora, mais que nunca, é necessário incentivar as pessoas e as empresas a instalarem sistemas de produção de energia, tais como painéis solares (aquecimento de água e produção de energia) de forma a que mais rapidamente se chegue à "meta". É necessário criar legislação que obrigue todos os licenciamentos novos e aqueles que sejam de obras de remodelação, a terem de instalar sistemas amigos do ambiente. Todos ganhamos, incluindo o próprio Estado. Mas p

As ligações ferroviárias como meio de desenvolvimento regional

Numa altura em que o país assistiu à queda de uma locomotiva ao rio Tua, voltou a debater-se a falta de condições e os prejuizos que determinadas linhas dão a quem as explora. Todos nós sabemos que desde meados da década de 80, após a entrada na UE, se assistiu a um gradual abandono do património ferroviário, que se traduziu no encerramento de diversas linhas e estações, promovendo o abandono e a desertificação de zonas isoladas que tinham no combóio o seu meio de transporte. Houve a preocupação de construir estradas, auto-estradas, investir milhões na linha do norte, esquecendo todas as outras linhas do país. O Algarve ficou esquecido, o Alentejo igual, apenas o litoral norte existia para quem na altura liderava os sucessivos Governos e para as administrações da CP. Mas esse desinvestimento surtiu efeitos nefastos, não só nas populações, levando à sua saída para o estrangeiro devido ao esquecimento do interior e consequentemente à falta de investimentos que criassem postos de trabalho