Avançar para o conteúdo principal

Turismo em Alqueva: E as acessibilidades?


Com o desenvolvimento do projecto de Alqueva e seu aproveitamento turístico, novas dúvidas e problemas se colocam para o futuro: será que as acessibilidades existentes e/ou projectadas serão suficientes para tranquilizar os futuros investidores e turistas de Alqueva?
Neste momento existem apenas ligações rodoviárias, algumas em boas condições, outras nem por isso. Existe também uma linha ferroviária que liga Évora a Reguengos de Monsaraz, que está desactivada há anos. Fala-se agora em tranformá-la em ecopista. Será esse o caminho? Não será que mais uma vez estamos sem visão estratégica e a hipotecar o futuro de Alqueva?
Com a modernização e futura electrificação da linha ferroviária que vem de Lisboa até Évora, será possível ligar as duas cidades em +/- 1 hora, que poderia ser aproveitada para trazer os turistas que chegam do aeroporto da Portela e futuramente do novo Aeroporto da Ota. Também a futura linha do TGV, que terá uma estação em Évora, terá um papel importante ao trazer mais turistas. Uma aposta neste troço (Évora - Reguengos), retiraria veículos das estradas, reduziria a poluição, o consumo energético e além do mais, contribuiria para o desenvolvimento do interior, e para o seu aproveitamento turístico. Há muito que o interior está esquecido e abandonado. As populações satélites da cidade de Évora, como Montoito, N. Srª Machede e Reguengos (muitos dos que lá habitam trabalham em Évora), sairiam beneficiados e dessa forma poderiam deixar os seus veículos em casa e deslocar-se de transporte colectivo. Tudo isto, se pensado e desenvolvido, poderá trazer riqueza económica ao interior, poderá deixar-nos novamente no mapa e poderá ajudar a fixar populações e a criar postos de trabalho. É preciso apostar já, para que na altura dos mega empreendimentos estarem prontos, a linha também já esteja em condições de receber os combóios modernos e os passageiros ansiosos de descansar junto ao maior lago artificial da Europa.

http://www.refer.pt
http://www.cp.pt

Comentários

Anónimo disse…
Caro Pinguim,

Li com agrado o post que escreveste.
Fazendo uma sintese:
- Faltam acessibilidades de qualidade à Barragem de Alqueva;
- Continua a falta de visão estratégica dos nossos governantes para o interior do País;
- O ambiente só ficaria a ganhar...;
- O interior sul sairia beneficiado bem como as suas populações.

Sou apologista de uma linha férrea moderna e electrificada que ligue todo o interior do País, já o disse antes e volto a afirmá-lo. Todo o Alentejo ficaria a ganhar, uma vez que permitia a rápida movimentação de população, mercadorias e turistas (Não só a Alqueva como ao Algarve).
Actualmente levantam-se questões mais importantes como o triângulo estratégico Sines (terminal XXI) - Évora (futura paragem TGV?) - Beja (novo aeroporto?) - Alqueva (maior Barragem artificial da Europa - com aproveitamento agrícola, eléctrico e turístico).
Contudo, deve-se repensar os recursos que temos, e as linhas férreas desactivadas podem ser uma mais valia. Como? Através do seu aproveitamento turístico, criando rotas de comboios históricos por antigas aldeias, vilas e cidades (e já o há no Douro!), passando, pois claro, por Alqueva.
Temos consciência que as coisas não são feitas de um pé para a mão, mas se caminharmos num mesmo sentido comum, com objectivos bem planeados e motivados a cumpri-los, seremos capazes de os pôr em prática, através do apoio governamental mas também pelo apoio da iniciativa privada, através da criação de serviços e produtos complementares às estruturas então criadas.
Acredito que muitas vezes o problema não se traduz (somente) na falta de verbas, mas também na falta de coragem, de vontade, ou quiçá, puro esquecimento de quem governa. É também importante salientar o papel activo que a administração local deve ter perante estes desafios, pressionando o Governo e criando condições para o investimento privado, sempre no sentido duma harmoniosa e saudável parceria público/privada.
Penso que todos juntos vamos conseguir se rumarmos na mesma direcção, caso contrário só o Alentejo ficará a perder.

Um abraço,

(gdgg)

Mensagens populares deste blogue

Évora - Casa Branca; Finalmente abriu!

Foi com agrado que assisti ao anúncio da abertura da linha de Évora no troço Évora - Casa Branca, para dia 05 de Novembro de 2006. Este troço, com cerca de 26km, já permite que se demore menos 12 minutos na ligação entre estas duas povoações. Assim, desde dia 05 é possível ir até Lisboa (Sete Rios, Entrecampos e Oriente) de combóio, atravessando a ponte 25 de Abril e demorando apenas 1h55m, sensívelmente o mesmo tempo que o percurso de automóvel sem ir por auto-estrada. Finalmente Évora entrou no mundo dos combóios actuais, modernos e rápidos, sendo uma mais valia para o turismo eborense mas também para o país, permitindo um maior desenvolvimento de uma região interior, que se depara com cenários de desertificação gradual à sua volta, sendo mais um factor de fixação das populações. Esta linha insere-se num projecto mais vasto, a ligação de Sines a Badajoz, ligando o porto de Sines a Espanha, para que haja um maior potenciamento das capacidades do porto de Sines e a actracção de novos n

Exploração ferroviária aberta a privados - Economia - DN

"Ministro diz que as linhas e troços ferroviários que forem desactivados poderão ser viabilizados por outras entidades, nomeadamente privadas. O ministro das Obras Públicas e Transportes admitiu ontem a possibilidade de outras entidades, nomeadamente privadas, poderem vir a explorar as linhas e troços ferroviários que sejam encerrados no âmbito da avaliação da rede que a Refer tem de apresentar ao Governo, no quadro dos planos de cortes nas empresas da tutela. "Outros agentes, económicos privados, associações de municípios, entre outros, podem encontrar soluções que podem revelar-se ajustadas e adequadas para continuar a prestar qualquer tipo de serviço", disse. António Mendonça afirmou que "até ao final do ano" serão conhecidos os planos de cortes de todas as empresas da tutela, sublinhando que os planos de redução de custos nas empresas sob a sua tutela são "um processo normal, que decorreu em diálogo, em sintonia, com o ministério". O ministro

Reabertura da linha Évora-Portalegre em estudo

"Mota Engil quer propor à Refer uma concessão ferroviária que permitiria poupar 80 quilómetros no percurso de Sines a Elvas. A ideia interessa à Takargo, a empresa ferroviária do grupo Mota Engil, que, em 2008, vai começar a operar comboios de mercadorias em Portugal e que vê na reactivação da linha Évora-Portalegre (115 quilómetros) a possibilidade de encurtar um trajecto que hoje é feito por Vendas Novas, Setil, Entroncamento e Abrantes. Para Pires da Fonseca, administrador da Takargo, este atalho significaria uma poupança significativa em combustível, já que a sua empresa vai operar com locomotivas a diesel e terá vários comboios a fazer o percurso Sines-Elvas e Setúbal-Elvas que só ganhariam se pudessem evitar uma volta maior. Para além disso, evitava--se ainda o troço Setil-Entroncamento, na Linha do Norte, um dos mais sobrecarregados daquela via-férrea e para os quais é difícil conseguir canal horário (o equivalente aos slots na aviação). Já através de Évora, existe uma g