Avançar para o conteúdo principal

As Novas Tecnologias na Sociedade Actual

Estamos num Mundo globalizado, com trocas de informação constante e permanentes. Tudo é muito mais simples e rápido desde o aparecimento da tecnologia. A tecnologia abriu caminho ao progresso e ao desenvolvimento económico. Estamos dependentes da tecnologia em tudo. Basta parar e olhar, analisar coisas simples e verificar esta realidade. Os automóveis com tv, o combóio e o avião com internet, a tele-vigilância nas estradas, os controlos de velocidade, as linhas de produção das indústrias, os locais de trabalho com internet e e-mail...basta estes exemplos para constarmos que estamos dependestes da tecnologia. Os sistemas de luz e água são controlados informáticamente, as centrais hidroeléctricas e termoeléctricas. É indisfarçável esta dependência tecnológica a que estamos submetidos. Mas há que saber aproveitar da melhor forma todas as oportunidades que nos são abertas. Há que dar formação às pessoas que cresceram noutra geração onde não havia tanta tecnologia para que se possam adaptar a ela. A tecnologia é fundamental ao desenvolvimento, mas não podemos esquecer que quem decide e quem comanda é o Homem. Nós é que programamos a máquina e a colocamos ao nosso alcance. É preciso saber fazê-lo para que seja útil. Há que ter ideias e tentar aplicá-las usando a tecnologia.
Urge por isso a necessidade de formar a nossa sociedade com este conhecimento para que o nosso país se desenvolva e se consiga colocar na linha da frente da evolução tecnológica. Há que apostar na capacidade dos nossos idosos e reformados e vê-los como pessoas com grande potencial de inovação e desenvolvimento. Há que integrá-los nesta sociedade digital para que não sejam info-excluídos. Será importante para o País, mas também para o capital intelectual do nosso povo, das nossas organizações e da nossa produtividade. Somos dos países com uma maior taxa de analfabetismo. Há que pensar nisso e encontrar formas alternativas de motivar as pessoas a aprender e a adquirir conhecimento. Começar pelo computador, pelo seu funcionamento, aprender a usá-lo já será motivador o suficiente para os nossos reformados que na sua maioria não encontra ocupação para passar o seu tempo livre. Há que ensiná-los, quanto mais não seja para que consigam enviar o IRS pela internet.
Existe um enorme potencial, mas tem sido tão mal aproveitado que já vamos partir tarde no encalço do conhecimento. Temos de tomar consciência que o nosso país precisa de conhecimento, de formação e temos de apostar nas pessoas sem as excluir, pois com maior ou menor dificuldade as pessoas serão capazes de se motivarem e aprender. Basta dar-lhes essa oportunidade.
Os patrões, os gestores e o Governo devem dar o exemplo e apostar na formação, dos seus colaboradores, apostando no seu desenvolvimento e formação para que contribuam positivamente para a criação de riqueza.
Seremos capazes, basta acreditar!!!

Comentários

Anónimo disse…
Como será possivel investir em formação assistindo-se a cortes orçamentais sucessivos na área da educação? Como motivar os mais idosos activos a utilizarem as tecnologias? Será que acções de formação só por si resolvem a analfabetização tecnológica dessas pessoas? Uma coisa é certa: a educação deve ser a pedra-angular do desenvolvimento de qualquer país, juntamente com a tecnologia. Há que motivar as pessoas, mas é preciso que as pessoas se sintam motivas para a prossecução de tais objectivos. Porque investe Portugal mais na área da Defesa do que na área da Educação? Será que o governo está a fazer tudo o que pode? Como melhorar? Na minha opinião, toda e qualquer pessoa deve ter a possibilidade de poder continuar os seus estudos, seja de proveniencia e de rendimentos for. (Quantas pessoas (homens e mulheres) gostariam de tirar um curso superior e não podem por falta de possibilidades(€)?) Todos devem ter acesso à educação superior, desde que esse seja o seu objectivo e o Estado deve incentivar, pois só assim, poderá ter, no futuro, gente preparada para grandes desafios.
Um abraço.

Gabriel Galvoeira
Get any Desired College Degree, In less then 2 weeks.

Call this number now 24 hours a day 7 days a week (413) 208-3069

Get these Degrees NOW!!!

"BA", "BSc", "MA", "MSc", "MBA", "PHD",

Get everything within 2 weeks.
100% verifiable, this is a real deal

Act now you owe it to your future.

(413) 208-3069 call now 24 hours a day, 7 days a week.

Mensagens populares deste blogue

Évora - Casa Branca; Finalmente abriu!

Foi com agrado que assisti ao anúncio da abertura da linha de Évora no troço Évora - Casa Branca, para dia 05 de Novembro de 2006. Este troço, com cerca de 26km, já permite que se demore menos 12 minutos na ligação entre estas duas povoações. Assim, desde dia 05 é possível ir até Lisboa (Sete Rios, Entrecampos e Oriente) de combóio, atravessando a ponte 25 de Abril e demorando apenas 1h55m, sensívelmente o mesmo tempo que o percurso de automóvel sem ir por auto-estrada. Finalmente Évora entrou no mundo dos combóios actuais, modernos e rápidos, sendo uma mais valia para o turismo eborense mas também para o país, permitindo um maior desenvolvimento de uma região interior, que se depara com cenários de desertificação gradual à sua volta, sendo mais um factor de fixação das populações. Esta linha insere-se num projecto mais vasto, a ligação de Sines a Badajoz, ligando o porto de Sines a Espanha, para que haja um maior potenciamento das capacidades do porto de Sines e a actracção de novos n

Exploração ferroviária aberta a privados - Economia - DN

"Ministro diz que as linhas e troços ferroviários que forem desactivados poderão ser viabilizados por outras entidades, nomeadamente privadas. O ministro das Obras Públicas e Transportes admitiu ontem a possibilidade de outras entidades, nomeadamente privadas, poderem vir a explorar as linhas e troços ferroviários que sejam encerrados no âmbito da avaliação da rede que a Refer tem de apresentar ao Governo, no quadro dos planos de cortes nas empresas da tutela. "Outros agentes, económicos privados, associações de municípios, entre outros, podem encontrar soluções que podem revelar-se ajustadas e adequadas para continuar a prestar qualquer tipo de serviço", disse. António Mendonça afirmou que "até ao final do ano" serão conhecidos os planos de cortes de todas as empresas da tutela, sublinhando que os planos de redução de custos nas empresas sob a sua tutela são "um processo normal, que decorreu em diálogo, em sintonia, com o ministério". O ministro

Reabertura da linha Évora-Portalegre em estudo

"Mota Engil quer propor à Refer uma concessão ferroviária que permitiria poupar 80 quilómetros no percurso de Sines a Elvas. A ideia interessa à Takargo, a empresa ferroviária do grupo Mota Engil, que, em 2008, vai começar a operar comboios de mercadorias em Portugal e que vê na reactivação da linha Évora-Portalegre (115 quilómetros) a possibilidade de encurtar um trajecto que hoje é feito por Vendas Novas, Setil, Entroncamento e Abrantes. Para Pires da Fonseca, administrador da Takargo, este atalho significaria uma poupança significativa em combustível, já que a sua empresa vai operar com locomotivas a diesel e terá vários comboios a fazer o percurso Sines-Elvas e Setúbal-Elvas que só ganhariam se pudessem evitar uma volta maior. Para além disso, evitava--se ainda o troço Setil-Entroncamento, na Linha do Norte, um dos mais sobrecarregados daquela via-férrea e para os quais é difícil conseguir canal horário (o equivalente aos slots na aviação). Já através de Évora, existe uma g