Avançar para o conteúdo principal

O Défice Comercial

É reconhecido por todos que a nossa balança comercial está desequilibrada. Não somos suficientemente competitivos para conseguirmos colocar lá fora os nossos produtos. Por outro lado, devido ao nosso consumo, somos obrigados as comprar "lá fora" o que
não encontramos cá. Há uma certa mentalidade dos nossos empresários que é reflexo da mentalidade portuguesa. Deixamos tudo para a última hora, não fazemos os investimentos necessários à melhoria da produção na altura certa e quando acordamos para o problema já é tarde de mais, já outras empresas estrangeiras o fizeram, logo perdemos quota de mercado e competitividade. Há que ter percepção de que tudo gira muito rápidamente neste mercado global, com comunicações cada vez mais rápidas e com mudanças cada vez mais frequentes em todos os domínios. Há que ter capacidade de antecipar a mudança e apostar em novos conceitos, novos produtos, novos processos produtivos. Acima de tudo é preciso saber investir na altura certa para nos anteciparmos aos nossos concorrentes directos. Temos cá dos melhores profissionais. A prova disso é que os nossos emigrantes lá fora são elogiados porque produzem, porque são competentes. E porquê não o são cá?
Esta questão fica no ar, pois o tema deste post é o défice da balança comercial e já me estava a desviar do tema. Existe uma forma fácil e simples de ensinar as pessoas a comprarem produtos produzidos em Portugal, consumindo desta forma mais produtos portugueses, ajudando a diminuir dessa forma as importações e também ajudando a indústria portuguesa. Essa forma é saber ler um código de barras. Em todos os produtos existe um código de barras. Nele consta o código do país em que é produzido, o código da empresa e o código do produto. O código mais comum é o EAN 13. Tem 13 dígitos, sendo os 3 primeiros do lado esquerdo os que indicam o código do país em que o produto é produzido. Se o código de barras começar por 560, é porque o produto é português. Se forem 841, 842 ou 843 é porque são produzidos em Espanha, se for 800 é Itália, 400 Alemanha, 871 Holanda, 500 Reino Unido....há links na internet onde se pode encontrar listas com os códigos dos países. Basta procurar no GOOGLE por EAN 13 code bar.
Vamos ajudar Portugal. Basta olhar para os códigos de barras e tentar comprar mais produtos portugueses. É um esforço simples e uma pequena contribuição de cada um de nós para estimularmos a nossa economia, as nossas indústrias para que hajam menos despedimentos e maior produtividade na nossa economia.

Comentários

darrelbencon0271 disse…
I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. My blog is just about my day to day life, as a park ranger. So please Click Here To Read My Blog
I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. So please Click Here To Read My Blog

http://pennystockinvestment.blogspot.com

Mensagens populares deste blogue

Évora - Casa Branca; Finalmente abriu!

Foi com agrado que assisti ao anúncio da abertura da linha de Évora no troço Évora - Casa Branca, para dia 05 de Novembro de 2006. Este troço, com cerca de 26km, já permite que se demore menos 12 minutos na ligação entre estas duas povoações. Assim, desde dia 05 é possível ir até Lisboa (Sete Rios, Entrecampos e Oriente) de combóio, atravessando a ponte 25 de Abril e demorando apenas 1h55m, sensívelmente o mesmo tempo que o percurso de automóvel sem ir por auto-estrada. Finalmente Évora entrou no mundo dos combóios actuais, modernos e rápidos, sendo uma mais valia para o turismo eborense mas também para o país, permitindo um maior desenvolvimento de uma região interior, que se depara com cenários de desertificação gradual à sua volta, sendo mais um factor de fixação das populações. Esta linha insere-se num projecto mais vasto, a ligação de Sines a Badajoz, ligando o porto de Sines a Espanha, para que haja um maior potenciamento das capacidades do porto de Sines e a actracção de novos n

Exploração ferroviária aberta a privados - Economia - DN

"Ministro diz que as linhas e troços ferroviários que forem desactivados poderão ser viabilizados por outras entidades, nomeadamente privadas. O ministro das Obras Públicas e Transportes admitiu ontem a possibilidade de outras entidades, nomeadamente privadas, poderem vir a explorar as linhas e troços ferroviários que sejam encerrados no âmbito da avaliação da rede que a Refer tem de apresentar ao Governo, no quadro dos planos de cortes nas empresas da tutela. "Outros agentes, económicos privados, associações de municípios, entre outros, podem encontrar soluções que podem revelar-se ajustadas e adequadas para continuar a prestar qualquer tipo de serviço", disse. António Mendonça afirmou que "até ao final do ano" serão conhecidos os planos de cortes de todas as empresas da tutela, sublinhando que os planos de redução de custos nas empresas sob a sua tutela são "um processo normal, que decorreu em diálogo, em sintonia, com o ministério". O ministro

Reabertura da linha Évora-Portalegre em estudo

"Mota Engil quer propor à Refer uma concessão ferroviária que permitiria poupar 80 quilómetros no percurso de Sines a Elvas. A ideia interessa à Takargo, a empresa ferroviária do grupo Mota Engil, que, em 2008, vai começar a operar comboios de mercadorias em Portugal e que vê na reactivação da linha Évora-Portalegre (115 quilómetros) a possibilidade de encurtar um trajecto que hoje é feito por Vendas Novas, Setil, Entroncamento e Abrantes. Para Pires da Fonseca, administrador da Takargo, este atalho significaria uma poupança significativa em combustível, já que a sua empresa vai operar com locomotivas a diesel e terá vários comboios a fazer o percurso Sines-Elvas e Setúbal-Elvas que só ganhariam se pudessem evitar uma volta maior. Para além disso, evitava--se ainda o troço Setil-Entroncamento, na Linha do Norte, um dos mais sobrecarregados daquela via-férrea e para os quais é difícil conseguir canal horário (o equivalente aos slots na aviação). Já através de Évora, existe uma g