Avançar para o conteúdo principal

O Défice...

Desde 2002 que só ouvimos falar do défice. A verdade é que tudo está na mesma, mas com uma diferença importante: estamos bem pior. Se o valor anunciado então pela Ministra Ferreira Leite era de 4,1%, agora contamos com 6,83%. Estivemos dois anos sem aumentos na função Pública, aumento do Iva de 17% para 19% (uma medida que deveria ser de 7 meses, como anunciado), aumento de ISP, aumentos de tabaco, aumento de IA, venda de património, cobrança de dívidas atrasadas através do célebre programa de recuperação de dívidas voluntariamente...a pergunta que se coloca neste momento é o seguinte: para onde foi todo o dinheiro proveniente deste sacrifício de todos os portugueses? Terão ido para os submarinos ou para os veículos da GNR no iraque? Para ps "amigos" da coligação?
A realidade é esta: vamos ter novos aumentos, novos sacrifícios, congelamento de salários e o rendimento disponível para consumo é nulo.
Os pobres estão cada vez mais pobres e os ricos cada vez mais ricos. Quando existem aumentos na função pública, se for de 2% num ordenado de 500€, o aumento será de 10€, enquanto os mesmos 2% num ordenado de 3000€ será de 60€. A grande injustiça está aqui. Promovem-se as desigualdades, não há coragem para mudar este tipo de situações. Em vez da percentagem deveria haver aumentos com base em valores reais, ou seja, por exemplo, aumento de 15€ para todos os funcionários. Haveria na mesma aumentos mas o Estado estaria a poupar com os ordenados mais elevados e promovia uma justiça social e a diminuição das desigualdades.
É necessário mentalizar a população de que é preciso especializarem-se, serem eficientes, produtivos e acima de tudo incentivar o estudo.
As escolas vivem num perfeito lascismo. Facilita-se, os programas são desaquados e desmotivadores, promovendo o abandono escolar.
É necessário apostaR na modernização do Estado. O Estado deve modernizar-se, simplificar processos, diminuir a burocracia de forma a que possa haver maior produtividade, melhor desempenho, maior satisfação de que usufrui dos serviços públicos, levando desta forma a uma redestribuição de pessoas e eliminando postos de trabalho em excesso, que deixaram de fazer sentido, por via das reformas e limitando as entradas ao estritamente necessário.
Assim, a médio, longo prazo, veríamos resolvidos alguns dos problemas estruturais da nossa Administração Pública, contribuindo para a redução de gastos, logo do défice.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Évora - Casa Branca; Finalmente abriu!

Foi com agrado que assisti ao anúncio da abertura da linha de Évora no troço Évora - Casa Branca, para dia 05 de Novembro de 2006. Este troço, com cerca de 26km, já permite que se demore menos 12 minutos na ligação entre estas duas povoações. Assim, desde dia 05 é possível ir até Lisboa (Sete Rios, Entrecampos e Oriente) de combóio, atravessando a ponte 25 de Abril e demorando apenas 1h55m, sensívelmente o mesmo tempo que o percurso de automóvel sem ir por auto-estrada. Finalmente Évora entrou no mundo dos combóios actuais, modernos e rápidos, sendo uma mais valia para o turismo eborense mas também para o país, permitindo um maior desenvolvimento de uma região interior, que se depara com cenários de desertificação gradual à sua volta, sendo mais um factor de fixação das populações. Esta linha insere-se num projecto mais vasto, a ligação de Sines a Badajoz, ligando o porto de Sines a Espanha, para que haja um maior potenciamento das capacidades do porto de Sines e a actracção de novos n

Exploração ferroviária aberta a privados - Economia - DN

"Ministro diz que as linhas e troços ferroviários que forem desactivados poderão ser viabilizados por outras entidades, nomeadamente privadas. O ministro das Obras Públicas e Transportes admitiu ontem a possibilidade de outras entidades, nomeadamente privadas, poderem vir a explorar as linhas e troços ferroviários que sejam encerrados no âmbito da avaliação da rede que a Refer tem de apresentar ao Governo, no quadro dos planos de cortes nas empresas da tutela. "Outros agentes, económicos privados, associações de municípios, entre outros, podem encontrar soluções que podem revelar-se ajustadas e adequadas para continuar a prestar qualquer tipo de serviço", disse. António Mendonça afirmou que "até ao final do ano" serão conhecidos os planos de cortes de todas as empresas da tutela, sublinhando que os planos de redução de custos nas empresas sob a sua tutela são "um processo normal, que decorreu em diálogo, em sintonia, com o ministério". O ministro

Reabertura da linha Évora-Portalegre em estudo

"Mota Engil quer propor à Refer uma concessão ferroviária que permitiria poupar 80 quilómetros no percurso de Sines a Elvas. A ideia interessa à Takargo, a empresa ferroviária do grupo Mota Engil, que, em 2008, vai começar a operar comboios de mercadorias em Portugal e que vê na reactivação da linha Évora-Portalegre (115 quilómetros) a possibilidade de encurtar um trajecto que hoje é feito por Vendas Novas, Setil, Entroncamento e Abrantes. Para Pires da Fonseca, administrador da Takargo, este atalho significaria uma poupança significativa em combustível, já que a sua empresa vai operar com locomotivas a diesel e terá vários comboios a fazer o percurso Sines-Elvas e Setúbal-Elvas que só ganhariam se pudessem evitar uma volta maior. Para além disso, evitava--se ainda o troço Setil-Entroncamento, na Linha do Norte, um dos mais sobrecarregados daquela via-férrea e para os quais é difícil conseguir canal horário (o equivalente aos slots na aviação). Já através de Évora, existe uma g