segunda-feira, fevereiro 27, 2006

As Novas Tecnologias na Sociedade Actual

Estamos num Mundo globalizado, com trocas de informação constante e permanentes. Tudo é muito mais simples e rápido desde o aparecimento da tecnologia. A tecnologia abriu caminho ao progresso e ao desenvolvimento económico. Estamos dependentes da tecnologia em tudo. Basta parar e olhar, analisar coisas simples e verificar esta realidade. Os automóveis com tv, o combóio e o avião com internet, a tele-vigilância nas estradas, os controlos de velocidade, as linhas de produção das indústrias, os locais de trabalho com internet e e-mail...basta estes exemplos para constarmos que estamos dependestes da tecnologia. Os sistemas de luz e água são controlados informáticamente, as centrais hidroeléctricas e termoeléctricas. É indisfarçável esta dependência tecnológica a que estamos submetidos. Mas há que saber aproveitar da melhor forma todas as oportunidades que nos são abertas. Há que dar formação às pessoas que cresceram noutra geração onde não havia tanta tecnologia para que se possam adaptar a ela. A tecnologia é fundamental ao desenvolvimento, mas não podemos esquecer que quem decide e quem comanda é o Homem. Nós é que programamos a máquina e a colocamos ao nosso alcance. É preciso saber fazê-lo para que seja útil. Há que ter ideias e tentar aplicá-las usando a tecnologia.
Urge por isso a necessidade de formar a nossa sociedade com este conhecimento para que o nosso país se desenvolva e se consiga colocar na linha da frente da evolução tecnológica. Há que apostar na capacidade dos nossos idosos e reformados e vê-los como pessoas com grande potencial de inovação e desenvolvimento. Há que integrá-los nesta sociedade digital para que não sejam info-excluídos. Será importante para o País, mas também para o capital intelectual do nosso povo, das nossas organizações e da nossa produtividade. Somos dos países com uma maior taxa de analfabetismo. Há que pensar nisso e encontrar formas alternativas de motivar as pessoas a aprender e a adquirir conhecimento. Começar pelo computador, pelo seu funcionamento, aprender a usá-lo já será motivador o suficiente para os nossos reformados que na sua maioria não encontra ocupação para passar o seu tempo livre. Há que ensiná-los, quanto mais não seja para que consigam enviar o IRS pela internet.
Existe um enorme potencial, mas tem sido tão mal aproveitado que já vamos partir tarde no encalço do conhecimento. Temos de tomar consciência que o nosso país precisa de conhecimento, de formação e temos de apostar nas pessoas sem as excluir, pois com maior ou menor dificuldade as pessoas serão capazes de se motivarem e aprender. Basta dar-lhes essa oportunidade.
Os patrões, os gestores e o Governo devem dar o exemplo e apostar na formação, dos seus colaboradores, apostando no seu desenvolvimento e formação para que contribuam positivamente para a criação de riqueza.
Seremos capazes, basta acreditar!!!

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

As Organizações Modernas na sociedade actual

Num Mundo cada vez mais globalizado, é com naturalidade que encaramos a mudança como algo de inevitável. Mudança em todo o sentido da palavra. É uma palavra que fará sempre parte das nossas vidas. Como seres humanos, temos de nos adaptar a novos tempos, novas descobertas, à evolução do conhecimento, pois é o conhecimento que nos faz crescer, que nos molda. Tem de haver grande disponibilidade para o conhecimento, para descobrir novas áreas, novos saberes, para evoluirmos e não ficarmos limitados ao conhecimento que já dominamos. Essa adaptação é fundamental para encararmos o processo de mudança como algo que acontece com naturalidade. Como na vida, existe também mudanças nas organizações. Todas as organizações numa determinada fase da sua existência sentem necessidade de mudar. E mudar porquê? Porque a sociedade evolui e por isso o ambiente envolvente às organizações também muda. Logo, a realidade que existe hoje já não existe amanhã e daí a necessidade de se adaptar a organização de forma a que esteja sempre ajustada com o ambiente que a rodeia, para poder retirar daí a sua satisfação. Mas para que a organização consiga acompanhar a mudança do ambiente, é necesseário que no seu interior tudo esteja ajustado. Há que ter recursos motivados, treinados e formados para que consigam ser exigentes para com eles próprios, pois sendo exigentes com eles estão também a ser fiéis ao seu papel na organização, pois contribuem para o bom resultado global da mesma. Há pois que contribuir para uma transformação gradual na organização. Há que saber conquistar o apoio dos recursos para que a mudança seja executada sem bloqueios, sem entraves, sem resistência. A resistência é uma reacção natural do ser à mudança, mas há que ter imaginação e criatividade para ultrapassar esses obstáculos.
Transportando esta visão para a realidade portuguesa, verifica-se que existe muita resistência à mudança. Talvez tenha a ver com a forma de ser do povo português. Temos fama de sermos acomodados, conformados com o que temos e com pouca vontade de lutar por algo que nos satisfaça. Sendo assim, é preciso em primeiro lugar mudar as mentalidades, apostando na escolaridade e na qualidade da mesma. A formação dos recursos é um passo fundamental, pois assim conseguirá criar-se capital intelectual que irá valorizar o conhecimento de uma organização. Com um nível maior de conhecimento é possível alargar a visão e reduzir a resistência...
Resumindo, mudar é um processo contínuo e infinito que jamais, em algum momento, estará terminado.